meu_filho_não_quer_comer
O 14 março 2016

Meu filho não quer comer, e agora?

Essa é uma pergunta bastante comum nos consultórios de pediatria e nutrição, e muitos pais acabam criando hábitos errados na alimentação de seus filhos quando os forçam a comer sem sentirem vontade. É compreensível que haja uma preocupação em relação a falta de apetite dos filhos, porque isso pode significar que alguma coisa não anda bem com a sua saúde, desde uma simples infecção de garganta até uma diabetes, porém, outros sintomas também aparecerão, como fraqueza, dor de cabeça, sonolência entre outros que precisarão ser tratados com o pediatra.

Então o primeiro passo é verificar se a saúde da criança está ok, e se nenhum problema for encontrado, os pais devem entender que crianças tem necessidades nutricionais diferentes devido ao crescimento. Em determinada etapa da infância, o crescimento dá uma “estacionada” e isso vai fazer com que ela sinta menos fome, mas isso não significa que ela vai parar de comer, e sim que ela vai comer menos do que antes. Por isso, se ela não quiser comer em alguma refeição, calma, quando ela realmente sentir fome, ela vai pedir por comida.

Outro motivo bem comum da inapetência (falta de apetite) é a birra. A infância é a fase de maior conhecimento entre as crianças e os pais, e esse conhecimento elas adquirem na observação e também nos testes. Se seu filho chora porque não quer comer, faz aquele escândalo, e você para acalmá-lo dá aquele doce, ou outra comida que ele goste, pronto, ele entendeu que se ele fizer birra para comer vai ganhar aquilo que gosta. Então, é importante que haja o respeito pela vontade da criança naquele momento, se ela não quer comer, tudo bem, mas deixe claro que a próxima refeição é em determinada hora e que até lá ela não poderá comer nenhum outro lanchinho. E claro, tenha paciência com os escândalos, eles querem testar até que ponto você é capaz de ceder ou não.

Algumas dicas para melhorar o apetite:

Não ofereça suco, água ou refrigerante na hora de comer: as crianças têm uma capacidade gástrica menor, ou seja, oferecendo líquidos sobra menos espaço para a comida.

Varie mais os alimentos: uma monotonia nas refeições pode fazer a criança perder o interesse por elas. Coloque alimentos mais coloridos e use a criatividade para tornar os pratos mais divertidos.

Não ofereça lanchinhos fora de hora: essa atitude pode fazer com que as crianças não sintam fome na hora das principais refeições.

Coma a mesma comida que oferecer a eles: de nada adianta querer que seu filho coma brócolis enquanto você come um hambúrguer. Você é o exemplo que ele tem, é claro que ele vai querer comer a mesma coisa que você.

Não force a ingestão de nenhum alimento: isso serve principalmente para as verduras e legumes. Se ele não quiser experimentar hoje, mantenha a oferta nos outros dias. A criança observando que aquele alimento está sempre presente em seu prato irá despertar a curiosidade de experimentá-lo cedo ou tarde, principalmente se perceber que você o come.

Não esqueça que fazer a criança comer excessivamente pode levar a uma obesidade, principalmente quando os alimentos oferecidos a ela não são de boa qualidade nutricional. A infância é a fase onde se criam vários hábitos alimentares que vão permanecer por toda a vida, então, ensine bons hábitos e também os pratique para dar o exemplo. Uma criança obesa tem mais chances de se tornar um adolescente e adulto obeso, e terá muito mais dificuldade de emagrecer.

Espero que essas dicas ajudem seu filho a melhorar o apetite e também a diminuir sua preocupação!

banner-post

Este artigo foi escrito por

Nem Demais Nem de Menos

O Nem Demais Nem De Menos é um blog escrito por nutricionistas. Nivea e Leticia, antes da profissão são jovens mulheres passando por situações cotidianas como toda mulher em uma metrópole.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *