Untitled design (5)
O 2 maio 2017

Como oferecer novos alimentos para a criança.

Todos nós temos um mecanismo natural chamado “neofobia”, que basicamente quer dizer “medo do novo”… É comum sermos mais cuidadosos em situações que são desconhecidas para nós, na verdade somos assim no nosso dia a dia, sem perceber. Quer um exemplo?

Você não entra no chuveiro sem antes colocar a mão para sentir a temperatura da água, certo? Ou quando está em um lugar com uma piscina, não pula com toda vontade sem ao menos saber se a água está gelada!

Os bebês têm esse instinto ainda mais aguçado, motivo pelo qual a introdução da alimentação complementar às vezes é difícil! É tudo novo para ele, cheiros, sabores, cores e formas. Algumas dicas vão ajudá-la a fazer seu filho ser “um bom garfo”!

  • Comece desde a lactação! Estudos mostram que as crianças que foram amamentadas exclusivamente e por mais tempo, aceitaram com mais facilidade novos alimentos. Isso porque o leite materno tende a ter sabor e aroma de alguns alimentos contidos na dieta da mãe, o que deixa o “padrão sensorial” do bebê “acostumado” a esses sabores. Esse mesmo estudo mostrou que a criança permanecia mais tempo no seio da mãe, mamando, quando ela consumia alho e baunilha. Em contrapartida, a mamada diminuía quando a mãe ingeria bebida alcoólica.
  • A criança precisa ser exposta, em média, de 8 a 10 vezes ao mesmo alimento para que seja aceito, portanto não desanime!
  • Deixe o seu filho tocar, cheirar, brincar e olhar o alimento. Esse “ritual” faz parte do reconhecimento.
  • Pratos coloridos são atrativos para tomo mundo! Então nada de monotonia de cores e nem de alimentos!
  • Em geral, os alimentos preferidos pela criança são os de sabor doce e com muitas calorias. Mas isso acontece porque esse sabor é inato do ser humano. É necessário que a criança passe pelo processo de aprendizagem para aceitar os demais sabores, como salgado!
  • Não force a criança a comer, evite qualquer tipo de punição e chantagem. Essas atitudes acabam criando uma relação negativa entre a criança e a comida. Da mesma maneira, não ofereça alimentos como recompensa e consolação.
  • A alimentação complementar no primeiro ano de vida deve ser oferecida sem rigidez de horário.
  • Parece bobagem, mas as crianças tendem a observar a reação e atitudes de seus pais, então evite fazer caras feias ou comentários negativos em relação ao alimento.
  • Por fim, a criança também tem um mecanismo chamado “auto-regulação energética”, ou seja, ela é capaz de ingerir a quantidade necessária de alimentos para o seu organismo. Quando insistimos para que o filho coma mais, acabamos interferindo nessa capacidade de regulação.

Se ficar insegura lembre-se: seu pediatra falou que o bebê está com crescimento adequado e esperado para o período? Então está tudo certo! Mas não confunda: medo do novo com saciedade! Respeite a fome da criança, mas apresente diversas vezes o mesmo alimento!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *